[Thecnica Sistemas de Treinamento] Táticas para pedir (e conseguir) aumento de salário 
Login: 
Senha:   
Fazer cadastro conosco
O Site | Quem somos | Contato | Cadastre-se | Apoiadores
Equipe | Perguntas freqüentes

Home   Edições impressas   Cursos e Eventos   Todos os artigos  
Resenhas   Anuncie   Quer colaborar?  
Google

Você está aqui: Home » Artigos sobre
Artigo (veja mais 8 artigos nesta área)

Táticas para pedir (e conseguir) aumento de salário

Por Arq. Me. Iberê Moreira Campos equipe


Pedir aumento de salário nunca será fácil. O empregador acha que o funcionário ganha o suficiente, enquanto que o funcionário pensa justamente o contrário. Ambos têm seus pontos de vista, será que é possível chegar a um acordo?

Não tem muito jeito. Se você é funcionário, uma hora vai ter que chegar para seu chefe e pedir aumento. A maneira mais prática de fazer isto é pedir para falar em particular, olhar bem para ele e soltar o verbo, algo como:

-- “Chefe, não está mais dando para aguentar. Preciso de um aumento, acho que mereço”.

O que aconteceria depois disto?
Difícil dizer, mas existem algumas hipóteses:

1º alternativa
Seu chefe dará uma risada e lhe dirá algo como “Olha, até que foi engraçado, mas estou muito ocupado. Deixe de brincadeira e volte para seu serviço”. Ou seja, é o mesmo que dizer “Não me amole, tenho mais o que fazer”.

2º alternativa
O chefe vai olhar bem para você, se aprumar na cadeira... dar uma pensadinha e lhe dará 3 ou 4 motivos pelos quais seu salário permanecerá o mesmo -- isto é, caso você ainda continue no emprego.

3º alternativa
A mais remota de todas: seu chefe dirá prontamente “Claro, perfeitamente! A partir de agora você está ganhado 30% a mais. Passe no departamento de pessoal para assinar os papéis”. Detalhe: nunca se teve notícia deste tipo de reação.

Será que dá ?

Como se vê, é difícil conseguir aumento de salário, ao menos assim de imediato, para amanhã ou depois.
Por que será? Simples: quem pede vê a situação por um ângulo e quem pode conceder enxerga de outra maneira.

Antes de mais nada, é preciso entender que a empresa existe para gerar lucro. Para conseguir lucro, a regra básica é gastar menos e arrecadar mais. No to cante aos assalariados, isto gera duas situações:
1 - Todo empregado acha que ganha menos do que merece.
2 - Toda empresa acha que o empregado pode produzir mais pelo que ele já está ganhando.

Neste contexto, as partes devem negociar para chegar a um meio termo. Mas não esta negociação torta, como vem sendo feito por muitos sindicatos importantes aqui no Brasil, à base de chantagem e de jogadas políticas.

A empresa precisa do empregado e vice-versa. É uma dependência mútua.
Só que as empresas não gostam de ouvir falar em aumento, logo torna-se necessário achar um jeito de fazer com que a empresa se interesse em, ao menos, escutar a reivindicação do empregado.

Tipos de aumento

Certo, pedir aumento. Mas que tipo de aumento? Para analisar melhor, vamos dividir os aumentos em três tipos:
• Curto prazo,
• Médio prazo, e de
• Longo prazo.
Vejamos:

Aumento de curto prazo
Quando falamos em curto prazo quer dizer, na verdade... bem... já, agora, imediatamente, porque o empregado está desesperado. Só que uma empresa nunca concede aumento quando o problema é apenas do empregado, quer dizer, o aumento só é concedido quando o problema passa a ser também da empresa.

Por isso, o argumento do empregado nunca deve ser "Estou ganhando pouco" ou "As coisas estão muito caras". Claro, estes são casos reais e sérios, mas tem um problema: nenhum deles é problema da empresa, logo o aumento não será concedido.

Quando é que o problema passa a ser da empresa? Quando o empregado é importante para a empresa e quando o empregado tem uma proposta para mudar de emprego. Segundo especialistas em RH, hoje, de cada dez aumentos, oito são concedidos para que o empregado não se vá.

E se o empregado não consegue uma proposta melhor? Isto significa que o salário que está recebendo é compatível com o que o mercado está disposto a pagar, e isto não quer dizer que o empregado deve desistir do aumento, mas sim que ele deve ir para o segundo tipo de aumento, aquele que vem a médio prazo.

Aumento de médio prazo
Uma vez descartada a alternativa do aumento a curto prazo, o empregado deve conversar com o chefe e tentar estabelecer um plano de metas para serem atingidas entre, digamos, seis a 12 meses.

Acontece que chefes e empresários não gostam de quem pede aumento, mas em geral prestam atenção a quem pede uma oportunidade ou deseja enfrentar um desafio profissional. Caso o chefe igualmente não estiver interessado em coisas a médio prazo, ainda resta ao empregado a opção de fazer um planejamento a longo prazo.

Aumento de longo prazo
As pesquisas mostram que quem tem curso superior ganha em média 30% a mais. Outro resultado, este bem sabido: quem é fala dois ou mais idiomas também ganha mais. Só que este tipo de complemento não acontece de uma hora para outra, pois precisam de dedicação, planejamento e dinheiro, ou seja, é preciso investimento.

Conclusão: aumentos salariais são resultado de investimento

Pelo que vimos até aqui, é fácil deduzir que os aumentos têm sido vistos como necessidade imediata, mas na verdade devem ser encarados como fruto de um investimento que o empregado tem de fazer em si mesmo. E este investimento tem que começar agora, o quanto antes.

O empregado deve mostrar seu valor para a empresa, e cabe a esta reconhecer o esforço do empregado e retribuir na mesma moeda, literalmente. Nada como um aumento de salário para dizer “Olha, estivemos te observando e gostamos do que vimos”.

Empresas que não agem assim demonstram que não dão valor para aqueles que, no fundo, são os responsáveis por sua operação e consolidação. Se você, como empregado, fez sua parte mas não conseguiu a devida retribuição, tem todo o direito de oferecer seus préstimos para outros, afinal, ninguém é de ferro...

Publicado em 06/07/2007 às 15:54 hs, atualizado em 01/07/2016 às 10:43 hs


Enviar para amigo Assinar newsletter Entre em contato
Enviar para amigo Assinar newsletter Entre em contato

Nenhum comentário até o momento.

Seja o primeiro a comentar este artigo!

Login:
Senha:
  • Se você já se cadastrou no site, basta fornecer seu nome e senha.
  • Caso ainda não tenha se cadastrado basta clicar aqui.


TEMOS MAIS 8 ARTIGOS SOBRE :
Qual é o valor da minha hora-técnica? Como calculo isso?
O arquiteto na administração de obras: vamos unir o útil ao agradável!
O que fizeram ao nosso país? Será que a saída da presidente Dilma vai melhorar alguma coisa?
Porque o arquiteto deve fazer a administração de obras
Espanhol cresce como ferramenta de trabalho
Perguntas mais comuns em uma entrevista de emprego(3/3)
Procedimentos em uma entrevista de emprego (2/3)
Preparando-se para uma entrevista de emprego (1/3)

 

SEJA VOCÊ TAMBÉM UM COLABORADOR!

Colabore com nosso site, contribua para o desenvolvimento da arquitetura, engenharia e construção e, de quebra, aumente seu currículo e promova sua empresa!
É simples:
  • Se você é uma pessoa física e deseja colaborar com notícias, artigos e sugestões, veja a seção Quero colaborar
  • Caso tenha uma empresa do setor e quer divulgá-la junto aos nossos visitantes, veja a seção Anuncie
  • Caso sua empresa faça Assessoria de Imprensa para um ou mais clientes, você pode mandar os releases para nossos repórteres e teremos a maior satisfação divulgar as notícias neste espaço.
  • Se você é um órgão de imprensa, contate-nos em imprensa@luzes.org e conheça as várias maneiras para interagir com nosso site e nossos visitantes.

Tel (11) 3483-9868
Fax (11) 2368-4666
Email: contato@luzes.org
  • Por favor entre em contato para qualquer dúvida, imprecisão do conteúdo ou informação indevidamente divulgada.
  • Os artigos e demais informações assinadas são de integral responsabilidade de seus autores.
  • O conteúdo deste site está protegido pelo Acordo Internacional da Creative Commons.
  • Os produtos e serviços de terceiros aqui divulgados são de inteira responsabilidade de seus anunciantes.
  • Nosso nome, logomarca e demais sinalizações estão protegidas na forma da lei.